quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013


Evolução do Fusca no Brasil

A partir de 1950, o Fusca começou a ser importado para o Brasil. No dia 11 de setembro de 1950 desembarcaram no porto de Santos 30 Volkswagens e permaneceram por lá em exposição. O sucesso foi imediato, os veículos avaliados em CR$ 20.000,00 (vinte mil cruzeiros), foram vendidos pelo extraordinário valor de CR$ 60.000,00 (sessenta mil cruzeiros) cada veículo
O modelo importado era o conhecido "Split Window", com vidro traseiro dividido em dois, modelo Export (havia o Standard, mais simples, nunca trazido para o Brasil).
Diante do sucesso, a empresa Brasmotor (ainda existente hoje, sob o nome Brastemp) começou a montar os veículos que era importados da Alemanha
  • 1952 câmbio com 2ª, 3ª, 4ª marchas sincronizada. O governo Getúlio Vargas passa a taxar a importação de veículos já montados (CEXIM), para incentivar a produção nacional. Empresas estrangeiras que se instalarem oficialmente no Brasil receberiam incentivos fiscais .
  • 1953 a Volkswagen se instala o bairro do Ipiranga na cidade de São Paulo e assume a montagem do veículo. O Fusca passa a ser importado, exclusivamente em kits "CKD" ("Completely Knocked Down"), onde as caixas importadas como "autopeças" recebem menos imposto. O modelo produzido já era o que tinha janela traseira única, oval.
Em 1954 passava a contar com janela traseira oval.
  • 1954 Motor 1200cc com taxa de compressão de 5,8:1 e 30 cv
  • 1955 Portas sem vinco na folha interna. Escape com 2 ponteiras cromadas
  • 1957 Novo cilindro de roda do freio
  • 1958 No modelo 1958 alemão, foi lançado o vidro traseiro retangular, porém no modelo 1958 brasileiro ainda foi fabricado com o teto antigo e o vidro traseiro oval. Nova taxa de compressão 6,6:1, agora com 36 cv.
  • 1959 o Fusca passou a ser oficialmente produzido no país com 54% de nacionalizaçao de suas peças. Dentre as novidades, o novo volante cálice; maçanetas externas ganharam botão de acionamento, para-sol emborrachado, dínamo de 160watts. Além da tradicional padronagem interna branco-cinza gelo, torna-se opcional outras padronagens monocromáticas: azul pastel, azul turquesa, verde berilo e bege havana. A janela traseira aumentou de tamanho e passou a ser retangular neste modelo.
  • Em 1961 o carro passou a ter: caixa de marchas sincronizada, para resolver o problema das "arranhadas" e o painel ganhou uma alça de segurança para o passageiro.
Em 1962, novas lanternas traseiras. A nova janela havia sido introduzida em 1959.
A dianteira tradicional dos anos 1960.
  • Em 1962 o Fusca passou a ter chassi nacional, faróis com facho assimétrico (o farol sealed-beam sai de linha), gancho cabide; nova lanterna traseira bicolor (versão que durou nos modelos standard até 1983).
  • Em 1963 ganhou novo descanso de braço, lavador de para-brisas pneumático e janelas traseiras basculantes, reservatório de fluido de freio de plástico, além de amortecedor de direção.
  • 1964 novo tanque de combustível, mais baixo, que permitia melhor acomodação da bagagem. 1ª série: bancos dianteiros quadrados com forração semelhante ao modelo 1963, porém com costura eletrônica. 2ª série: bancos quadrados com faixa de tecido 100% "pijaminha"
  • 1965 foi o ano do lançamento do Fusca com teto-solar, que ficou conhecido como "Cornowagen". Logo o acessório foi rejeitado e muitos proprietários, incomodados com o apelido (segundo rumores dado ao carro por um executivo da Ford), mandaram fechar o teto. Houve também mudanças nas lanternas que passaram a ser modelo "sorriso curto" e na luz de placa ficando mais larga. Bancos dianteiros de encosto curvo "corcundinha" com faixa de tecido 75% "pijaminha". Trava de volante e chave de ignição conjugados na mesma peça.
  • 1966 o VW perdeu o brasão do capô. Nesse ano, a Volkswagen assumiu o controle da Vemag, encerrando no ano seguinte as suas atividades. Em outubro de 1966, já como modelo 1967 o Fusca ganha vidro traseiro 20% maior e depois limpador de parabrisas (novos braços e palhetas) parados no lado do motorista. Estes últimos modelos ainda possuiam motor 1200 e tampa traseira com maçaneta de girar (e saia traseira com desenho "H")
  • 1967, a Volkswagen lançou motor 1300 cc com 46cv no lugar do antigo 1200 de 36cv. Nas propagandas, apareciam os carros com uma cauda detigre saindo da traseira em alusão a maior potência. Novo distribuidor centrifugo de tampa baixa, filtro de ar com bocal de aspiração maior; novo pedal do acelerador; rodas aro 15 com janelas para refrigeração dos freios; comutador de luz alta foi para a alavanca de seta.
    Vale notar que foi durante esta época que o Fusca sedimentou a Volkswagen no mercado nacional, permitindo o lançamento de vários derivados no mercado nacional, tais como o Vw 1600, o TL, a Variant, o Karmann Ghia TC, o SP2, a Variant II, o Brasília e o Gol.
  • 1968 Sistema elétrico de 12 volts. O Fusca ganha retrovisor externo de série, modelo "braçinho"
  • 1969 Espelho retrovisor "raquete". Em retrospecto, embora muitos falem que o Fusca de 1954 a 1969 só tenha mudado o vigia traseiro e o para-brisa, neste período foram feitas mais de 2.500 mudanças no motor e em outras partes do automóvel.
  • 1970 o Fusca ganha cintos de segurança e extintor de incêndio. Nova pedaleira com pedais de embreagem e freio mais afastados. Na 2ª série, mudanças na frente e traseira: pará-choques de lâmina simples, maçaneta do capô dianteiro com botão de segurança. O capô dianteiro e traseiro ficaram mais curtos, para evitar que se prendesem ao parachoque em caso de colisão. Foi lançado o Fuscão, modelo jovem de acabamento requintado e motor 1500 de 52cv. O Fusca 1500 durou de 1970 até 1975.
Um Fusca 1500, traseira e…
… dianteira.
O 1600S,como "O Besourão,ou "Super Fuscão
  • 1971 A Volkswagem é a 1ª montadora brasileira a realizar testes de impacto (crash-test) para avaliar a segurança da carroceria em caso de colisões.
  • 1972 Nova chave de seta; luz de cortesia interna passa da coluna para o meio da porta do motorista.
05/72-> Fuscão 1500: distribuidor tampa alta semelhante ao do 1200
  • 1973 Novo farol de perfil reto, padronizado para atender a legislação quanto a altura do facho em relação ao solo. As janelas laterais basculantes e o sistema de ar quente passam a ser opcional. No Fuscão 1500, as grades do capô traseiro aumentam.
05/73-> embreagem 200mm com guia de rolamento
  • 1974 Botões no painel em plástico maleável com inscrições de função, novo volante bumerangue, chave de seta em plástico, nova padronagem do revestimento dos bancos, sistema de ventilação interna com saídas atrás do vidro lateral (orelhinhas). Muitos pensam que sua função é ventilar o interior do carro quando, na verdade, é o inverso.
02/74-> tampa de inspeção da caixa de direção e tampa de acesso ao varão do câmbio plástica 03/74-> distribuidor tampa alta com novo platinado no 1500 07/74 -> 1300 perde o friso no estribo / fim do emblema VW no capô dianteiro 10/74 -> fim do emblema 1300 (todos 1500 tiveram emblema) 11/74-> caixa de fusíveis c/ 12 fusíveis; filtro de ar elemento de papel; distribuidor tampa alta (1300) / tampa externa de acesso ao varão do câmbio na caixa (na saia) plástica
  • Lançamento do Fusca 1600S - o besourão
Equipado com bancos reclináveis; volante esportivo Walrod de três raios, painel com conta-giros, marcador de temperatura, relógio e amperímetro. Motor 1600cc de 65cv com carburação dupla, rodas aro 14 (idênticas às da Brasília) com pneus radiais opcionais, bitolas de 150 e 130mm maiores do que o do vw fuscão. Também tinha uma cobertura plástica na cor preta sobre a tampa traseira, que lembrava as asas de um besouro. Foi inspirado nos VW-s yellow and red racer,modelo alemão com suspensão dianteira McPerson. Com três nomes oficiais, o clássico instantâneo denominado 1600S,Besourão ou super fuscão compõe com os modelos de teto solar as versões de maior procura pelos colecionadores.
  • 1975 Pisca alerta no painel ao lado esquerdo do cinzeiro. Lavador de parabrisa com acionamento no pé. Haste e palhetas do parabrisa pintadas de preto. O Fusca 1300 agora tem rodas de 4 furos. Motor 1300 com nova taxa de compressão 6,8:1 (motor de numeração BJ)
11/75-> trilho largo nos bancos dianteiros (Resolução Contran 477-74)
  • 1976 é lançada a versão 1.300-L. O farol passa a ser fixado direto no paralamas.
BJ 321.619 / BS 604.332 (03/76) -> pedal do acelerador em plastico 10/76 -> coluna de direção anti-penetrante (Resolução Contran 477/74), volante estria fina
  • 1977, o Fusca apareceu com mudanças estruturais, comando do limpador de para-brisas na chave de seta e barra de direção retrátil, que protege o motorista em caso de choque frontal. Também ocorreu uma mudança no bocal do tanque, que passou para a lateral direita do carro. Neste ano o governo Geisel lança um plano para reduzir o consumo de gasolina, a VW passa a equipar o VW 1300/1300L com carburador Solex H30 PICS, com nova giclagem para reduzir as emissões e o consumo.
  • 1978 O interruptor do pisca-alerta foi transferido para a coluna de direção e foi adotada uma chave única para portas, capô do motor e ignição. Retrovisor externo de plástico e retrovisor interno apenas encaixado (para soltar em caso de colisão). A Volkswagem monta um laboratório de emissões para avaliar métodos de redução da poluição emitida pelo motores.
01/78-> Respiro do motor com sistema positivo, os gases do carter agora retornam à admissão. 07/78 -> macaco tipo “joelho” / encaixe do macaco no assoalho alterado BJ-859000 e BS-626000 (01/12/78)-> troca de óleo passa a ser feita a cada 7500km
  • 1979, houve uma alteração nos modelos 1300 L e 1600, as lanternas traseiras se tornam maiores e passam a ser chamadas "Fafá", em alusão aos grandes seios da cantora Fafá de Belém. A lanterna menor continuou a ser utilizado nas versões 1300.
As lanternas "Fafá" do modelo de 1979.
  • 1981 foi lançado o Fusca 1300 com motor a álcool.
  • 1982 chegou um painel com relógios retangulares e a nova versão 1300 GL com "luxos" como rádio AM/FM, acendedor de cigarros, apoios de cabeça dianteiros, desembaçador do vidro traseiro, janelas traseiras basculantes, protetor de borracha nos para-choques, aquecimento e novo logotipo 1300 em branco com o GL em vermelho.
  • Em 1983, a empresa resolveu rebatizar o modelo no Brasil, adotando finalmente o nome que se tornara popular, Fusca. Até então o automóvel era oficialmente denominado "VW Sedan" nos registros dos Detrans. A lanterna modelo Fafá passou a ser padrão para este modelo único, fabricado somente com o motor 1300. Novo respiro do motor sem o cano que vai para baixo.
  • Em 1984 o motor 1300 deixou de ser produzido. Agora passa a equipá-lo o novo motor 1600, conheçido como tork, com válvulas de escape maiores, capela de refrigeração com radiador deslocado, valvula de aquecimento de partida a frio (Termac) e o carro passa a contar também com freios a disco na dianteira, mais eficientes. Cinto de segurança de 3 pontos, bancos dianteiros com encosto de cabeça. O VW 1600 com carburação simples passa a ser equipado com Carburador Solex H30/31 PICT.
  • Em 1986 a Volkswagen desistiu de fabricá-lo alegando que era um modelo muito obsoleto, apesar de ser ainda um dos doze carros mais vendidos daquela época. Um dos motivos era a necessidade de abrir espaço em linha de montagem da fábrica de São Bernardo do Campo para o Santana e para o VW Fox, a ser exportado para os EUA.
  • Em 1993, por sugestão do então presidente Itamar Franco a empresa voltou a fabricar o modelo. Itamar queria a fabricação de carros populares e sugeriu que o Brasil precisava de um carro como o Fusca. Foi aprovada então a Lei do carro popular, que previa isenções de impostos para os carros com motor 1.0 e também para os que tivessem com refrigeração a ar, sendo assim e o Fusca e a Kombi, embora tivessem motores de 1.6l, foram incluídos. O carro vendeu muito menos que da meta esperada pela Volkswagen. A principal razão para que o Fusca não vendesse tão bem se deve ao fato de seu acabamento espartano demais diante dos concorrentes surgidos em meados da década de 1990, como o Fiat Uno Mille e Chevrolet Corsa de primeira geração, que tinham preços muito próximos do velho Besouro, porém, com acabamento e espaço interno melhores que os do Fusca. Em 1996, a empresa deixou de produzir novamente o carro, com uma série especial denominada Série Ouro. A partir daí, ele só seria produzido no México. Nesse segundo período, foram produzidos no Brasil cerca de 47.000 exemplares.
Para os brasileiros, o Dia do Fusca ocorre todo dia 20 de janeiro, sendo, em vários centro urbanos, comemorado com eventos e festas por amantes e colecionadores deste modelo[3].

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário